Fotografia na arteterapia

A fotografia é mais um recurso que podemos utilizar no processo arteterapêutico. São registros pessoais que nos trazem à tona memórias afetivas, resgate da infância, percepção de si mesmo e da linha do tempo da própria vida. Podem despertar emoções como alegria e tristeza ao reviver uma situação, também espanto e estranheza ao perceber aquela imagem de uma maneira nunca vista antes. 

Quando trabalho com fotos no espaço terapêutico, peço ao cliente que aprecie seu álbum de fotos impressas ou digitais e escolha aquelas que lhe chamarem atenção naquele momento. Geralmente trabalho com fotos até os sete anos de idade, depois mais sete, e assim sucessivamente, mas quando é criança escolhem fotos da vida toda. 

No momento de compartilhar, vamos resgatando memórias, refletindo sobre a linha da vida, recuperando recordações, momentos e percepções que de alguma maneira ficaram esquecidas por um período, despertando afetos e emoções incompreendidas. 

Dependendo do que remeteu ao cliente, na produção de arte, trabalho com a imaginação e criatividade, como remontar o cenário da foto, mudar posições de pessoas e usar adereços como roupas, maquiagem e cabelo para tirar novas fotos. Às vezes é preciso ampliar também para outras produções e explorar um tema por mais tempo. 

Tive uma situação que a criança trouxe uma foto em que ficou mexida e incomodada por não ter mais o quarto que tinha naquela foto, os pais tinham se separado há dois anos e tudo parecia caminhar bem. Até que tivemos a oportunidade de acessar essa emoção e poder trabalhar com expressões criativas, como caixa de areia, argila, confecção com sucatas e intervenções à família, ressignificando todo o processo de separação dos pais que se refletia na ideia do quarto que não tinha mais. 

Observar e apreciar fotografias nos fornece pistas sobre o ontem, no hoje, permitindo revisitar conteúdos emocionais e compreendê-los.   

Aline Souza – Neuropsicopedagoga e Arteterapeuta

Referência: Philippine, Angela. Linguagens, materiais expressivos em arteterapia: uso, indicações e propriedades:Rio de Janeiro: Wak Ed, 2009.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *